Agência DCPM
20 de julho de 2018

As melhores trilhas do Brasil #6 – A Pedra da Gávea

A trilha da Pedra da Gávea é, sem dúvida, a mais cobiçada e desafiadora do Rio de Janeiro. Aventureiros e turistas do mundo todo a procuram justamente por ser tão temida. São aproximadamente 3 horas de subida até o cume, que começa plana em uma estrada de terra, passa pelo meio da floresta da Tijuca e por grandes pedras, além de ter alguns pontos onde é preciso o uso de equipamento especializado para escalada. É uma aventura para os fortes, pois além do preparo físico necessário para a subida, é também preciso muita coragem para enfrentar caminhos em que o trilheiro tem que passar, muitas vezes, na beira de precipícios, se esgueirando pelas rochas, até alcançar o cume. É o maior bloco de pedra a beira mar do Brasil e, mesmo com um nível de dificuldade tão grande, vale muito a pena. Tenho certeza que vai ser a trilha da sua vida.

Mapa localizado na entrada da tilha para a Pedra da Gávea (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)

O que levar?

A trilha da Pedra da Gávea é feita em apenas um dia, sendo assim, basta levar:

  • Mochila de ataque pequena, com capacidade de 10L
  • Capa de chuva
  • Lanterna (Pois pode ser que você acabe descendo no escuro. Preferencialmente lanterna de cabeça)
  • Protetor solar
  • Repelente
  • Papel higiênico ou lenços umedecidos (Prepare-se para se sujar)
  • Comprimidos para dor
  • 1 litro de água e 1 litro de Isotônico (em certas épocas, o calor é intenso e não há onde reabastecer a garrafa)
  • 2 bananas (para evitar cãibras)
  • 2 sanduíches
  • Snacks leves como biscoitos e barras de cereais
  • Saco plástico para colocar os documentos em caso de chuva

O que vestir?

  • Boné ou viseira (só tomar cuidado para não bater a cabeça nos galhos)
  • Óculos escuros
  • Bandana para o rosto
  • Luvas (há muitos trechos em que é preciso escalar ou fazer ascenção com cordas)
  • Camiseta dryfit e fleece
  • Anorak (apenas para os mais sensíveis ao frio)
  • Calça de trekking ou calça de lycra (para proteger as pernas da vegetação e mosquitos borrachudos!)
  • Meias
  • Tênis ou botas de trilha (pode ser até um tênis comum, mas com bastante aderência. Jamais vá de chinelos ou sandálias! pois podem escorregar)
  • OBS1: Meninas, um top reforçado protege melhor do que sutiã e permite que você troque de roupa com mais facilidade.
  • OBS2: Não vá com roupas novas, pois há trechos em que você tem que escorregar na pedra, ou subir se esgueirando por elas.

 

A subida da trilha

A trilha se inicia na Barra da Tijuca, em uma localidade conhecida como Barrinha, onde acessamos a entrada do Parque pela rua Sorimã. Ali, avistamos uma portaria, que tem o objetivo de monitorar a entrada de visitantes. O parque funciona de 8h até as 18h e é proibido pernoitar, porém mesmo com essa proibição, que impõe pesadas multas para quem insiste em burlar as regras, muitos ainda se aventuram a ficar no parque depois do seu fechamento.

A entrada da tilha para a Pedra da Gávea (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)

Após mais ou menos 20 minutos subindo em uma rua de paralelepípedos, a trilha começa a entrar em chão de terra batido e, algum tempo depois, já é possível avistar a placa informando que você está no caminho certo. Ali perto há também uma pequena cachoeira.

É aqui que aventura começa! (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)

 

Seguindo em frente, passamos um bom tempo seguindo a trilha subindo por dentro da mata e, dependendo da época do ano, o clima vai estar bem abafado, por isso, é muito importante que você leve ao menos 2 litros de água. Depois de algum tempo, você vai encontrar um trecho de pedras maiores, onde será necessário fazer uma espécie de “escalaminhada”, o que significa que você estará cada vez mais próximo ao cume, mas, ainda vai faltar muito, pois essa trilha leva pelo menos 3 horas até chegar ao topo. A cada curva, as paisagens vão se revelando espetaculares!

Uma das belíssimas vistas que você vai encontrar no caminho! (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)

 

Há a possibilidade de subir por dois caminhos, sendo um deles escalando a temida carrasqueira ou então escalando pela P4 (caminhos sobre os quais falaremos mais adiante, para que você possa decidir qual dos desafios irá peferir encarar).

Nesse dia, resolvemos subir escalando pela P4, pois o objetivo era passar por um lugar chamado Garganta do Céu, que é muito procurado pelos aventureiros para tirar belíssimas fotos com a vista da praia de São Conrado e do Morro Dois Irmãos ao fundo. É uma paisagem deslumbrante e uma lembrança para toda vida.

A garganta do Céu (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)

 

A escalada pela via P4 exige que você possua equipamento de escalada e deve ser feita com guia credenciado, pois há sério perigo de acidentes. Não há nenhuma corda ou cabo de aço disponível no local, pois o que havia lá, foi retirado, justamente para evitar acidentes com pessoas que se arriscavam a subir sem ter o equipamento ou a técnica adequada. Nunca é demais lembrar que essa aventura deve ser cercada de preparação e cuidados com a segurança.

A escalada pelo P4, onde o trilheiro vai ter que mostrar que está com a força dos braços em dia! (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)

Logo após escalar a P4, é possível fazer uma parada pra lanche e mais uma vez se impressionar com a vista cada vez mais linda da Barra da Tijuca.

Paradinha para o lanche em uma das praças de alimentação mais lindas do mundo. Essa praça ou a do Shopping? (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)

 

E ali começava, na minha opinião, uma das partes mais complicadas da trilha da Pedra da Gávea, pois para continuar, é necessário passar por grandes pedras, que normalmente são bem escorregadias e, ao olhar para baixo, temos a visão do abismo, ou seja, é importante que você tenha bastante concentração e esteja na companhia de um guia experiente, para que a sua aventura seja a mais segura quanto possível. A boa notícia é que logo depois desse trecho, em alguns metros, você alcançará finalmente o topo da Pedra da Gávea.

Ao chegar ao topo, depois de 3 horas de trilha e vários desafios, você é tomado por uma grande sensação de superação e de vitória, pois essa é uma trilha feita para os fortes, tanto que, no Rio de Janeiro, você só é verdadeiramente considerado um trilheiro, depois que fez pelo menos uma vez a trilha da Pedra da Gávea.

A visão lá de cima, te mostra todo o Rio de Janeiro em 360 graus. Você pode ver o Pão de Açúcar, o Morro Dois Irmãos, a Pedra Bonita e tantos outros belíssimos cartões postais, famosos por todo o mundo.

O topo da Pedra da Gávea tem diversos lugares incríveis e ainda mais desafiadores a serem explorados. São tantos pontos de interesse, que mesmo subindo cedo, é difícil conseguir visitar todos de uma só vez, sendo assim, para conhecer todos aqueles lugares sensacionais que vemos em fotos de tirar o fôlego, temos que fazer pelo menos mais uma visita.


Veja mais posts sobre trilhas:

As melhores trilhas do Brasil #1 – Chapada Imperial – DF
As melhores trilhas do Brasil #2 – Pedra Bonita – RJ
As melhores trilhas do Brasil #3 – Lagoinha do Leste – SC
As melhores trilhas do Brasil #4 – São Thomé das Letras – MG
As melhores trilhas do Brasil #5 – A Pedra do Sino – RJ


1 – O paredão

A impressão que temos é que você se equilibra em uma parede de pedra, na beira do abismo:

O paredão da Pedra da Gávea. Não é de tirar o fôlego? (Foto: Arquivo pessoal da trilheira e instagramer @soyaline)

 

2 – O platô

 

A parte mais plana do topo, onde temos aquela vista de 360 graus de todo o Rio de Janeiro. Há vários pontos, inclusive alguns desconhecidos do grande público, porém são hit entre os trilheiros mais experientes e rendem fotos incríveis.

 

O platô. Uma das mais lindas vistas do mundo! (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)
Um cantinho escondido no platô, que apenas os trilheiros mais experientes conhecem. (Foto: Arquivo pessoal da trilheira e Instagramer @soyaline)
Outro canto no platô, que fica a caminho da temida Pedra do Raio. (Foto: Arquivo pessoal da trilheira e Instagramer @soyaline)

 

3 – A cadeirinha

Esse é um dos lugares mais desafiadores da Pedra da Gávea, onde poucos conseguem ter a coragem de se sentar. Trata-se de uma verdadeira cadeirinha entalhada na pedra, que fica à beira do abismo. Recomendamos que apenas pessoas preparadas e com equipamento de segurança façam esse tipo de foto. Se você tiver medo de altura ou vertigem, não se arrisque!

A famosa e super temida Cadeirinha, onde só os fortes se arriscam a sentar para apreciar a vista. (Foto: Arquivo pessaoal da trilheira e Instagramer @soyaline)

 

4 – A pedra do Raio

 

Conhecida também por ser um ponto muito procurado e, ao mesmo tempo, muito arriscado, a Pedra do Raio atrai aventureiros de todas as partes do mundo, porém como dissemos anteriormente, somente pessoas preparadas podem se arriscar a se sentar ali.

A famosa Pedra do Raio. (Foto: Arquivo pessoal da trilheira e Instagramer @soyaline)

 

5 – A cabeça do Imperador

Ainda no platô, fica uma das partes mais espetaculares, chamada de “A Cabeça do Imperador”, onde os aventureiros tiram fotos belíssimas com a Praia de São Conrado ao fundo. É preciso ter muita coragem para se aproximar da beira.

A cabeça do Imperador. Você teria coragem? (Foto: Arquivo pessaoal da trilheira e Instagramer @soyaline)

6 – A garganta do Diabo

 

Localizada também no platô, a “Garganta do Diabo” encanta pela visão do mar e a impressão de que estamos na beira do precipício.

A Garganta do Diabo (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)

 

7 – A Orelha do Imperador

 

Em uma trilha separada, que também só deve ser feita por pessoas experientes, é possível alcançar a lateral da Pedra da Gávea, conhecida como “A Orelha do Imperador”. Para chegar lá, é necessário se esgueirar por um paredão de pedra, com um abismo logo abaixo. O visual compensa com certeza todo o esforço.

A trilha de descida a caminho da Orelha do Imperador (Foto: equipe @graverrj)

 

Depois da trilha pelo paredão, de onde é possível também ter uma bela vista da Pedra Bonita, chegamos à cobiçada Orelha do Imperador, que é uma gruta incrustada na pedra, onde muitos aventureiros param para descansar, tomar um café e apreciar a magnífica vista. Desse ponto, compartilhamos nosso encantamento com muitos praticantes de voo livre, que passam sem parar pelo local, fazendo uma verdadeira dança nos céus. Um espetáculo imperdível que vale a pena parar para assistir.

A vista da Orelha do Imperador. (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)

 

A descida da trilha

 

Recomendamos que por volta das 17 horas, seja iniciada a descida, pois o tempo no local é bem instável e, dependendo do clima, pode estar sujeito a muitos ventos, frio e chuva, sendo assim, descer no escuro não é nada recomendado, uma vez que estarão no caminho de descida a temida Carrasqueira e Pedra do Navio, que exigem toda a nossa atenção, cuidado e equipamentos adequados.

Durante a descida, é possível avistar a face do Imperador e dar um tchauzinho! (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)

Nesse dia, fomos supreendidos pelo mau tempo no topo e tivemos que descer com fortes ventos e chuva. Optamos por fazer a descida de rapel pela Carrasqueira, onde muitos aventureiros se arriscam a passar apenas “na mão”, ou seja, se agarrando nas pedras e com o abismo bem abaixo dos pés. Mais uma vez, recomendamos que haja o acompanhamento de um guia credenciado e que calçados adequados sejam utilizados, tais como botas de trilhas ou tênis antiderrapantes, pois muitas das vezes, as pessoas ficam literalmente agarradas na rocha gritando por socorro, por não estarem preparadas para a descida ou estarem sem os equipamentos adequados. Como o nome já diz, a Carrasqueira é marcada por acidentes acidentes fatais, sendo assim, tenha certeza de estar tomando todos os cuidados de segurança para que a sua aventura tenha apenas boas lembranças de momentos de adrenalina e diversão. Há inclusive uma placa no local, alertando para o perigo.

A descida pela Carrasqueira. É um visu incrível, porém a sensação de precipício paralisa muitos aventureiros, que acabam precisando de resgate no meio da descida ou subida. (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)
Placa instalada para alertar do risco de morte (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)
Descida de rapel, com toda segurança, pela lateral da temida Carrasqueira com a equipe @graverrj (foto: @cristravels)

 

E aí, gostou aventureiro?

 

Não esqueça de curtir e compartilhar esse post com os amigos, já chamando para aquela aventura repleta de adrenalina no final de semana. Marca eles!

Vai encarar?

E aí, preparado para encarar a aventura da sua vida? (Foto: Arquivo pessoal @cristravels)
Classificado como: