Turismo

As melhores trilhas do Brasil #7 – Pico das Agulhas Negras

O Pico das Agulhas Negras é o ponto mais alto do Rio de Janeiro, com 2791 metros de altura, sendo o 5° maior pico do Brasil. Está localizado no Parque Nacional do Itatiaia ou PNI, que fica na região Serrana do Rio de Janeiro, no município de Itatiaia.

A melhor época para subir Agulhas Negras é, sem dúvidas, durante a temporada de montanha, que vai de maio a setembro. Pode parecer estranho ir para as montanhas justamente no inverno, mas nessa época, apesar de ser muito mais frio, a incidência de tempestades com raios é bem menor e, andar em campos abertos e subir montanhas durante tempestades, é extremamente perigoso.

Os ingressos do parque

Para essa trilha, é necessário que você chegue entre 4h e 5h da manhã na entrada do parque, pois são apenas 80 vagas para fazer a trilha até Agulhas Negras e, caso não consiga senha, é possível apenas fazer outras atividades, tais como a trilha para as Prateleiras e Morro do Couto ou então, explorar a parte baixa do Parque, onde você pode visitar uma série de lindas cachoeiras do Complexo do Maromba, que são a Véu de Noiva e a Itaporan ou ainda, aproveitar e tomar um banho na bela Piscina do Maromba.

Há também diversas travessias que podem ser feitas em mais de 1 dia, como a Ruy Braga (Rebouças-Parte Baixa), Rebouças-Serra Negra-Morro Cavado-Mauá, dentre outras. Se você preferir um rolê mais tranquilo, pode simplesmente fazer um piquenique e apreciar toda a natureza desse lugar incrível. Aventuras não vão faltar nesse belíssimo parque!

A portaria principal do Parque Nacional do Itatiaia. O frio é intenso! (Foto: @cristravels)

Mas, como o nosso objetivo é fazer a trilha de Agulhas Negras, chegamos na porta do PNI por volta das 4 da manhã para não corrermos o risco de perder a vaga. Paramos o carro na portaria principal e tiramos um cochilo para esperar a abertura do Parque, que acontece às 7h da manhã para a parte alta (montanhas) e às 8h da manhã para a parte baixa (cachoeiras e etc). Quando o parque é aberto, as senhas são distribuídas para as pessoas que estão com seus carros estacionados em fila. Conseguimos a senha número 1 de entrada! Que onda!

Tirando onda com a senha número um! (Foto: @cristravels)

A entrada para o parque custa R$ 17,00 por pessoa (há desconto de 50% se você comprar ingressos para mais de um dia), mas também é possível dormir dentro do abrigo do parque por R$ 30,00 ou ainda no camping por R$ 18,00. Uma boa opção também é um hostel chamado Yellow House, que está cobrando R$ 60,00 o pernoite com café da manhã.

Maiores informações sobre preços, temperatura no local, trilhas, cachoeiras e reservas para travessias e pernoites no abrigo ou camping, podem ser obtidas no site oficial do Parque Nacional do Itatiaia, clicando nesse link http://www.icmbio.gov.br/parnaitatiaia

Dica: E o que fazer das 4h até às 8h da manhã na porta do Parque? Muita coisa! A vantagem de estar em um parque que fica longe da cidade e de todas as luzes artificiais, é poder admirar toda a beleza da noite. Nesse momento, se o tempo estiver bom e sem nuvens, é possível contemplar um céu deslumbrante lotado de estrelas.

Nesse dia, avistamos todas as principais constelações, estrelas, alguns satélites e até o planeta Marte! Quer privilégio melhor que esse? Foi realmente indescritível! Isso sem falar nas incontáveis estrelas cadentes que nos surpreendiam o tempo todo! Então nesse momento não perca tempo! Enquanto assiste ao espetáculo pense em coisas boas e faça seus pedidos.

Um espetacular teto de estrelas! (Foto: @nandogringones)

Se estiver com uma câmera profissional, poderá utilizar a função de longa exposição e tirar fotos belíssimas de um céu super estrelado, que não seria possível se você estivesse perto das luzes da cidade. Aproveite!

Por volta das 6h da manhã, fizemos um café ali mesmo na porta do parque, para poder esquentar, pois a temperatura estava em 4 graus e o frio estava realmente muito intenso. Se você não está acostumado, leve agasalhos bem pesados.

Aquele café raíz pra esquentar o esqueleto! (Foto: @soyaline)

O guia

É indispensável que você faça a contratação de um guia credenciado pelo parque e que ele disponha de todos os equipamentos que serão necessários para uma aventura com segurança, tais como kit de primeiros socorros, baudrier, freio 8, mosquetão e cordas, que serão usadas para as subidas e descidas. Além disso, o guia irá sempre te indicar o melhor caminho a ser percorrido, pois a trilha é cheia de obstáculos e grandes pedras a serem transpostas. E, claro, um bom guia irá te informar sobre a fauna, a flora, os riachos, a história do parque e sobre todas as formações rochosas e montanhas que encontramos durante a trilha. Informação é tudo!

Os guias normalmente cobram de R$ 80,00 a 100,00 por pessoa para o guiamento de ida e volta, já incluso todo o equipamento individual.

Repete comigo! _Eu vou contratar um guia, pois é indispensável!

O que vestir?

As temperaturas no cume de Agulhas Negras podem chegar a 10 graus negativos, sendo assim, é super importante estar adequadamente vestido para evitar desconfortos ou hiportermia.

Normalmente, utiliza-se pelo menos duas camadas de roupas, sendo algumas delas bem específicas para trekkings em grandes altitudes, que são elas:

Proteção da cabeça:

  • Touca de lã e óculos escuros.
  • Protetor de ouvido (algumas pessoas são mais sensíveis ao vento).
  • Bandana para o rosto (super importante, pois o vento gelado na região provoca até a descamação da pele)
  • Hidratante para o rosto (indispensável, para evitar o ressecamento)
  • Manteiga de cacau (indispensável, ou seus lábios vão ficar rachados).

Proteção do tronco e membros superiores:

  • Blusa segunda pele.
  • Fleece (casaco feito de tecido parecido com flanela, que age como isolante térmico, sendo leve e respirável).
  • Anorak ( é uma espécie de jaqueta com gorro confeccionada com materiais espessos e resistentes. É uma vestimenta bastante utilizada pelos praticantes de esportes ao ar livre com a finalidade de proteger a parte superior do corpo contra o vento e, além de oferecerem proteção contra chuva e neve).
  • Luvas de trekking / frio (recomendo usar duas luvas, ou você não irá sentir seus dedos, além disso, a escalaminhada exige que você use as mãos o tempo todo para subir pelas pedras).

Proteção dos membros inferiores:

  • Calça segunda pele e calça de trekking.
  • Meia térmica de inverno (recomendo utilizar duas meias em cada um dos pés, pois o frio é muito intenso e há momentos que não sentirá os dedos dos pés).
  • Botas de trilha ou tênis de trilha (há diversos trechos com descidas bem íngremes e escorregadias).

OBS: Conforme você for avançando na caminhada, talvez sinta vontade de tirar o Anorak, mas é importante que você leve pelo menos 3 camadas de agasalhos.

O que levar?

Cada item a ser levado na mochila cargueira tem que ser cuidadosamente pensado, pois cada quilo parece pesar o triplo depois de 4 horas de caminhada, portanto, qualquer peso que possa ser retirado será de grande ajuda. Veja abaixo os itens básicos para percorrer a trilha:

Equipamentos :

  • Mochila de ataque/cargueira de no máximo 20L. (Evite carregar peso, pois a escalaminhada é bem dura e se a mochila for grande ou pesada, vai te cansar e atrapalhar bastante).
  • Saco estanque (Em caso de chuva forte, ele evita que a água molhe seus documentos e dinheiro).
  • Capa de chuva (pode ser descartável, pois é mais leve).
  • Repelente, filtro solar, manteiga de cacau, Merthiolate, Bandaid e comprimido para dor.
  • Lenços umedecidos.

Comida e bebida:

  • Devem ser levados lanches leves como sanduíches, barras de cereal, snacks de nuts, biscoitos leves, banana, maçã, ovos, gel de carboidrato, entre outros.  (você vai precisar de energia para a caminhada).
  • 1 litro de água e 1 litro de Gatorade. (Há como encher a garrafa de água no abrigo Rebouças)

A trilha

A trilha para alcançar o cume de Agulhas Negras leva aproximadamente 4 horas no total, sendo que você leva uma hora, andando por uma estrada de terra, que vai da portaria do parque até o abrigo Rebouças.

Iniciamos a caminhada por volta das 8:30h da manhã. (Foto: @cristravels)

Veja mais posts sobre trilhas:

As melhores trilhas do Brasil #1 – Chapada Imperial – DF
As melhores trilhas do Brasil #2 – Pedra Bonita – RJ
As melhores trilhas do Brasil #3 – Lagoinha do Leste – SC
As melhores trilhas do Brasil #4 – São Thomé das Letras – MG
As melhores trilhas do Brasil #5 – A Pedra do Sino – RJ
As melhores trilhas do Brasil #6 – Pedra da Gávea – RJ


Dica: Se você conseguir chegar cedo, vai ser possível deixar o carro estacionado já no Abrigo Rebouças e evitar essa trilha de 4 quilômetros, o que economiza bastante o nosso tempo!

Depois do abrigo Rebouças, temos pelo menos mais 1 hora de trilha até a base da montanha, trecho onde passamos por belíssimos riachos, lagos, pontes e um vale incrível, com a vegetação bem peculiar em um cenário de paisagens espetaculares, dignas de filmes de Hollywood.

Ponte de madeira que encontramos durante a trilha. (Foto: @cristravels)

 

Do lago já é possível avistar a belíssima montanha (Foto: @cristravels)
A caminhada é dura, mas vale cada passo! (Foto: @nandogringones)

Depois de chegar na base da montanha, levamos pelo menos mais 2 horas de uma escalaminhada até o cume, passando por paredões de rocha e escalando enormes pedras, empilhadas como se tivessem sido salpicadas sobre a montanha.

Escalaminhada no paredão de Pedras (foto: @nandogringones)

 

A subida é muito cansativa! Esteja bem preparado fisicamente! (foto: @cristravels)

O mais interessante é que cada passo tem que ser estudado, pois se você pegar o caminho errado, pode ser que tenha que descer tudo novamente, para pegar a outra rota, sendo assim, como já mencionamos, recomendamos que essa trilha seja feita apenas na companhia de um guia credenciado pelo parque, que já vai te indicar o  verdadeiro “caminho das pedras” e facilitar muito a sua ascenção.

Quase lá! (foto: @defernandezz)

Há também dois trechos onde será necessário usar cordas para subir e, nesse momento, a orientação do guia e o uso do equipamento apropriado vai ser fundamental para sua segurança.

É necessário o uso de equipamento adequado de escalada, como baudrier, mosquetão, freio 8 e cordas. O guia já havia deixado todo o equipamento preparado. (foto: @soyaline)

 

Depois de mais algum tempo de escalada por pedras ainda maiores, chegamos ao segundo ponto de escalada. Um momento de contemplação!

Selfiane na montanha… (Foto: @cristravels)

Alcançamos o cume por volta de 12:30h e ficamos por lá apenas 1 hora, mas que é o suficiente. Todo esse esforço vale a pena, pois é uma enorme sensação de conquista! Lá de cima é possível avistar todos os demais picos do parque, como o Morro do Couto, as famosas prateleiras e até a Pedra do Sino.

O incrível sentimento de superação! (Foto: @cristravels com ajuda de @soyaline)

Dica: Use bandana para proteger o rosto e manteiga de cacau nos lábios. O frio e o vento são intensos na região do cume e, as pessoas mais sensíveis, poderão sentir tontura ou dor de cabeça devido à altitude.

O topo do Rio! (Foto: @defernandezz)

Um dos momentos mais emocionantes, com certeza, vai ser quando encontrar uma pequena caixa de alumínio, onde vai estar o chamado “Livro do Cume”, que você poderá assinar e deixar uma dedicatória, para registrar que você esteve ali. É realmente mágico poder escrever e ler tantos outros lindos relatos, poemas, declarações de amor, textos de superação e muito mais. É sensacional!

O livro do cume (Foto: @defernandezz)

É importante que você inicie a descida até, no máximo as 14h, pois se escurecer, a trilha se tornará muito mais difícil e arriscada. Então se liga!

Dica: As melhores fotos são tiradas no caminho da volta, pois o sol estará iluminando o Pico das Agulhas Negras e refletindo na belíssima vegetação da região.

A montanha iluminada! (foto: @thabiss)

 

Agradecimentos especiais

 

O guiamento dessa aventura foi feito pelo experiente montanhista Nando Gringones (Instagram @nandogringones) da equipe Rio Radical (Instagram @rio_radical), que nos guiou com muita segurança, profissionalismo e alto astral e, de quebra, ainda tirou fotos espetaculares!

Agradeço também ao guia do PNI @fernandezagulhasnegras que sabe tudo dessa montanha e nos ajudou nos momentos mais difíceis dessa aventura.

E aí, preparado para encarar o pico mais radical do Brasil?

Curte e já compartilha com os amigos chamando pra aventura na montanha! hooooooop!

Simbora pra montanha!? (foto: @nandogringones)

Carioca, Leonina, analista de sistemas por profissão e viajante de coração. Cidadã do mundo apaixonada por cultura, gastronomia, trilhas e viagens. Escrevo para inspirar as pessoas a viajar e descobrir esse nosso mundão repleto de aventuras! Vem de carona comigo!

6 Comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.